Escola Jaya de Yoga

  • Aumentar tamanho da fonte
  • Tamanho da fonte padrão
  • Diminuir tamanho da fonte

Yoga e Gravidez

PDF

É indiscutivelmente uma experiência muito importante na vida da mulher, a etapa chamada de gravidez. Existe um ditado que mostra a responsabilidade da futura mãe para com a saúde do bebê: "O que for semeado será colhido", aplicando-o a uma gestante, esta terá como recompensa todo o cuidado que dedicou a sua saúde, tendo uma criança saudável. É essencial para a futura mamãe a conservação da saúde física e mental, tanto para ela quanto para a criança em seu ventre.

Algumas mulheres acreditam erradamente que a prática do Yoga durante a gravidez, pode conduzir ao aborto, isto é um grande equívoco, pois com a prática regular das Asanas (posturas psico-físicas), o útero torna-se mais forte, possibilitando uma gravidez mais segura e uma entrega maior por parte da gestante.

Na realidade, todo este trabalho relacionado com a gravidez, segura e saudável, começa muito tempo antes da mulher engravidar, mais precisamente na puberdade, época ideal para se começar a prática das Asanas do Yoga, isto ajudará a futura mãe a ser forte no período da gravidez.

Da mesma forma que a menstruação a gravidez é uma condição da natureza feminina. Contudo, ambas produzem uma grande mudança no corpo feminino após o nascimento da criança.

Um aspecto muito importante que tem de ser observado é a deficiência na produção de hormônio da glândula tireóide, o que pode resultar em aborto. É adequado que as mulheres pratiquem Asanas, como Shirshasana, Sarvangasana, Setubandha Sarvangasana e Janusirsasana bem antes de ficarem grávidas. O bom funcionamento das glândulas endócrinas para uma boa saúde é essencial, por tanto a prática regular das Asanas ajuda a trazer este equilíbrio hormonal. Há ainda, outros benefícios decorrentes da prática das Asanas principalmente no tocante ao aborto, já que outros fatores podem gerá-lo, tal como a inflamação ou o deslocamento do útero.

A incapacidade na concepção pode se manifestar através de mau funcionamento dos ovários, glândulas ou mesmo das trompas. Por isso, recomenda-se que a mulher pratique Yoga bem antes da concepção, não apenas para melhorar a saúde dela, mas principalmente para garantir uma boa saúde das gerações futuras.

As mulheres grávidas são orientadas a terem cuidado durante os primeiros três meses de gestação. E da mesma forma que a medicina, o Yoga considera adequado ser feito um pré-natal, pois a futura mãe necessita ter um sangue de boa qualidade, rico em Hemoglobina durante a gravidez e também a manutenção da pressão arterial mantendo-a em níveis normais. A prática das Asanas auxiliará, para que, não haja aumento rápido do peso corporal ou da pressão no sangue, ou da albumina na urina.

Neste período, existe a chance de aborto devido à inadequada formação da placenta, prolapso, ou fraqueza muscular do útero. Nesta etapa é perigoso erguer objetos pesados ou dar grandes saltos. Contudo, a prática regular das Asanas proporcionará o fortalecimento da musculatura pélvica e melhorará a circulação de sangue nesta região do corpo, o que fortalecerá o sistema reprodutor, o esforço ao qual a coluna vertebral será submetida, e fazer com que o período de confinamento, seja mais bem suportado.

Nesta etapa, as Asanas mais benéficas são: Parvatasana. Supta-Virasana, Upavishta-Konasana, Baddha-Konasana. Shirshasana e Supta-Padangusthasana. Estas posturas expandirão a cavidade pélvica criando espaço dentro do útero, assegurando assim, uma circulação sanguínea adequada e espaço para a movimentação da criança. A prática das Asanas deve ser executada até o nono mês de gravidez, salvo quando algum problema surgir impedindo. A mulher em estado de gravidez avançada é a melhor juíza de seu próprio estado.

Outra importante providência é a prática regular de Pranayama (controle da energia vital por meio da respiração), o que resultará na tranqüilidade dos nervos, e a aquisição ou consolidação da confiança e da coragem, ao mesmo tempo a fadiga será removida. Tornando-se pesada a respiração, esta deve ser interrompida. Pranayamas como Ujjayi e Viloma Pranayama podem ser praticados durante toda a gravidez.

Ao contrário, do que se possa pensar, mesmo as posturas invertidas, se executadas corretamente são muito benéficas. A gestante, não pode determinar quais Asanas não são adequadas de serem feitas, decorrente do peso no abdômen e na pelve, e conseqüentemente, no coração. No final da gravidez oitavo ou nono mês Asanas como Shirshasana, Sarvangasana e Halasana devem ser interrompidos, porém outras Asanas, como as que corrigem as costas côncavas, e fortalecem a musculatura em torno da coluna, podem e devem ser feitos.

No início da gestação, é possível surgir principalmente pela manhã, sintomas como mal estar, apatia e fraqueza. Podem ocorrer também descargas ou dores na região pélvica, inchaço ou dormência nos pés, veias inchadas e varizes, dores nas costas, constipação, variação da pressão arterial, toxemia, cefaléias, tonturas, visão turva, e micção freqüente. Todavia, em todas estas condições Asanas sempre são muito úteis.

É muito adequado buscar o tratamento médico no caso do feto encontrar-se em uma posição inadequada como a transversal.

Caso haja o infortúnio de ocorrer um aborto, a prática do Yoga, de Asanas e Pranayamas pode ser reiniciada após a liberação pelo médico evitando-se o esforço da musculatura abdominal. Uma vez alcançada à estabilidade na prática gradualmente deve-se progredir no tempo e no número de Asanas.

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar